Arthur Bloom desde cedo treinou para pianista e compositor na secção preparatória da Julliar School, juntamente com o diploma avançado da Yale University em composição, ajudou-o a fazer parte duma série de comissões artisticamente compensadoras; o seu trabalho com artistas da DEF JAM manteve Bloom em contacto com a cultura da rua.

Eventualmente, a ambição e a consciência artística social terá juntado essas duas características da sua personalidade musical num projecto que se arrastou por um ano que o levou a uma pobre comunidade rural na zona norte do estado de Nova York.
Baseado no seu sucesso, ele fundou e dirige a “Renovation In Music Education” (RIME: www.rimemusic.org), uma organização sem fins lucrativos que ele gere do seu estúdio baseado em Washington DC.

O trabalho de Bloom com a RIME cresceu com a sua experiência na zona norte do estado de Nova York. “Há alguns anos atrás a sinfonia de Albany contratou-me para escrever uma obra que tivesse uma componente educacional, mas que fosse muito além do normal “olá crianças, isto é uma trompete”. Eles queriam que houvesse uma colaboração genuína que motivasse as crianças para o processo criativo e que possibilitasse a presença delas em palco com a orquestra. Bloom criou um programa com 2 partes: um currículo através do qual as crianças criassem e aprendessem obras a um ritmo acelerado e a finalizar um concerto no qual eles actuariam com a orquestra. O programa incluía uma variedade de estilos musicais, desde de musica clássica a rap, e um plano que serviu de base para o currículo.

Após decidirem o conceito – e um titulo que tocava as séries educacionais de Leonard Bernstein – Bloom começou a trabalhar. A obra chama-se “Uma guia orquestral para o jovem” e é baseado na imaginação duma criança que dirige um concerto. A critica foi unânime no apoio da iniciativa e até foi adoptada por varias escolas do país.

Devido ao sucesso do programa original, RIME recebeu um pedido da NASA. “através desta parceria sem precedentes, estamos a transformar “Uma guia orquestral para o jovem” em “Uma guia orquestral para o Universo”. Nesta versão é a viagem duma criança pelo universo que ira irromper no concerto final, com os estudantes a receberem preparação em aulas de ciências e musica. Com a NASA como parceiro, esperamos desenvolver um verdadeiro e inovador programa educacional de ciências e musica para crianças desfavorecidas de todo o país”.

Com o crescimento da RIME, assim também teve de crescer as suas instalações. “devido as nossas múltiplas necessidades, desde gravação e produção áudio, a ensaios orquestrais, até à produção de outros programas educacionais, necessitamos ter um estúdio bastante flexível. Os nossos monitores foram uma escolha muito bem ponderada. E não se consegue ter muito melhor do que ATC. Nós usamos ATC50ASL , e faltam-me as palavras para as descrever. Elas inundam a sala de som, e isso é importante, porque nós temos vários pontos de comando em diversos pontos do estúdio. Ao mesmo tempo elas tem um grande e correcto ponto de convergência que faz delas óptimas para misturar quando te sentas no local certo num panorama stereo. Os monitores ATC são como estetoscópios – são extremamente correctos – ferramentas perfeitas para produção. Não adocicam o som, elas transmitem o que é, o que nos ajuda a produzir um produto de melhor qualidade.

“Com um computador central casado com equipamento de processamento superlativo e monitores ATC temos o melhor de dois mundos: flexibilidade digital e alta fidelidade analógica”.